Morfologia urbana e rural

 

EXERCÍCIO 3

 

 

Morfologia de Beja

(Portugal, Alentejo)

 

 

 

Os três documentos principais concernam o sítio de Beja (antiga Pax Iulia) a três escalas diferentes.

 

O estudante fará :

 

1. Uma leitura da tese de Maria da Conceição Lopes sobre a arqueologia urbana de Beja e uma pesquisa nas revistas para conhecer o potencial arqueológico de Beja.

 

2. uma análise da morfologia urbana e peri-urbana, realizando um esquema geral e, se for útil, varios esquemas de detalhe (s) das formas visíveis. O estudante pode realiza-los com um software de desenho (tipo Adobe Illustrator), não esquecendo uma legenda explicativa do seu escolho das formas e das cores ; a análise necessita fazer mudanças de escalas directamente no Google Earth, para ver melhor os detalhes, realizar capturas convenientes e suplementares, etc.

Nota = é necessário utilizar o mapa do parcelário que se encontra na tese de Conceição Lopes entre as páginas 112 e 113. Ver os documentos seguintes.

 

3. um comentário das formas encontradas.

 

4. uma bibliografia elementar.

 

Nota 1 = o exercício não se limita às formas planimétricas seja rurais, seja urbanas. Discutir, eventualmente, a diferença entre os termos rural e urbano.

Nota 2 = não esquecer consultar e utilizar a excelente missão aérea que fica no portal Bing Maps e que completa muito bem as 5 missões que se encontram no Google Earth.

 

Envie o seu exercício (texto com figuras) a

chouquer@gmail.com

 

O estudante pode pedir os ficheiros iniciais das imagens para dispor das capturas com maior resolução. Basta mandar-me um email.

NB – Utilizo em modo cotidiano, para todas correspondências, o email chouquer@club-internet.fr.

 

O email chouquer@gmail.com  só pode ser utilizado para enviar os ficheiros mais pesados. Obrigado pela atenção.

 

Ajuda

 

Indicações para adiantar na análise da forma, por exemplo :

- Fazer uma cartografia das superfícies das parcelas urbanas, para definir um limiar entre grandes e pequenas parcelas e ver a repartição espacial delas.

- Fazer um estudo das regularidades e iregularidades das formas.

- Estudar o interior dos bairros urbanos, seja regular, seja não.

- Observar os alinhamentos que atravessam varios elementos mais ou menos diferentes.

- Não esquecer o papel da altimetria, da topografia, a rede das águas, as varias funcionalidades, por exemplo : cicular, entrar e sair da cidade, lotar parcelas, defender-se, etc.

 

Para identificar e nomear os lugares, utilizar os nomes actuais das ruas (no Google Earth, Google Maps, Bing Maps, Flash Earth, etc.)

 

Documentos

 

O sítio de Beja (captura do portal de Google Earth). Esta primeira imagem delimita a zona maximal do estudo, à pequena escala (« pequena » no sentido geográfico : que dá a visão global sem detalhes).

 

:Image 12.png

 

 

A cidade de Beja (escala média).

:Image 13.png

 

 

O centro histórico de Beja (grande escala, « grande » no sentido geográfico : que dá o detalhe)

 

:Image 15.png

 

 

O mapa do parcelário

 

:DOSSIERS-RECHERCHE:site-ARCHEOGEO:EXERCICES:exerc.Béja:BejaTotal.jpg

 

 

Bibliogragfia

 

Jorge de ALARCÃO, A cidade romana em Portugal. Renovação urbana na época romana, dans Cidades e História, Lisboa 1992, p. 73-127.

 

Maria Conceição LOPES, A cidade romana de Beja, Percursos e debates acerca da “civitas” de PAX IULIA, Instituto de arqueologia, Coimbra 2003, 392 p. (a tese da A.)

 

Vasco Gil MANTAS, Teledetecção, cidade e territorio, dans Arqueologia de Beja, vol. I, 3, 1996, p. 5-30.

 

Accès privé